segunda-feira, 28 de novembro de 2011

Vejinha SP destaca teste de receptividade de obesos na cidade.

Reprodução - Retirado do site Veja São Paulo

Teste da receptividade a obesos

Não faltam cadeiras desconfortáveis, lojas com roupas feitas só para magros e discriminação no trabalho

Daniel Bergamasco | 30/11/2011


Da esquerda para a direita: Elena Mesa Marquez, Marcelo Alves Germano, Roberto Labate e Márcia Ornellas


Com 90 quilos distribuídos em 1,65 metro de altura, a executiva Márcia Ornellas já passou por constrangimentos em shoppings. Uma vez, ao observar vitrines, foi recebida com uma frase à queima-roupa da vendedora: “Nossos modelos só vão até o 44”. Lojas de roupas estão entre os ambientes temidos por grande parte dos obesos, assim como várias situações da vida social. Para avaliar como são tratados e atendidos, VEJA SÃO PAULO convidou a executiva Márcia, o designer Roberto Labate, também acima do peso, e um casal dentro das medidas para um teste ao redor da metrópole. As duas duplas percorreram mais de vinte endereços na capital para checar possíveis diferenças no atendimento.
DUPLA 1

Elena Mesa Marquez
■ Profissão: compradora técnica de uma empresa multinacional do ramo automotivo
 Idade: 29 anos
■ Altura: 1,75 metro
 Peso: 63 quilos
■ Manequim: 38
Marcelo Alves Germano
■ Profissão: gerente financeiro da SP Escola de Teatro
■ Idade: 27 anos
■ Altura: 1,75 metro
■ Peso: 71 quilos
■ Manequim: 40

DUPLA 2

Márcia Ornellas
■ Profissão: executiva de uma multinacional farmacêutica e modelo plus size
 Idade: 39 anos
 Altura: 1,65 metro
■ Peso: 90 quilos
 Manequim: 48
Roberto Labate
■ Profissão: designer e empresário. Já fotografou para o catálogo de lojas GG, como Kauê
■ Idade: 31 anos
■ Altura: 1,80 metro
■ Peso: 112 quilos
■ Manequim: 50
O aperto dos gordinhos: como vivem os obesos em São Paulo
Gordos e ex-gordos falam sobre suas dificuldades

PRIMEIRA PARADA: LOJAS DE ROUPAS
Duplas só entraram em locais que não teriam peças da numeração de Márcia e Roberto
RUA OSCAR FREIRE E ARREDORES
CarminTrack and FieldTufi Duek e Planet Girls — Os funcionários foram simpáticos e trataram os quatro com atenção semelhante
Avaliação: atendimento bom
Carlos Miele — A dupla GG chegou primeiro. A vendedora foi formal, explicou que a numeração é limitada e logo deixou Márcia de lado para atender Elena, que ouviu a funcionária tomar um sermão de sua superiora: “Quando for assim, não perca tempo. Avise qual é a numeração e atenda o outro casal”. À reportagem, a empresa disse que “lamenta o ocorrido” e que agirá para que ele não se repita
Avaliação: atendimento ruim
SHOPPING FREI CANECA
Hering — Os atendentes exageraram ao insistir em elogiar o caimento de roupas apertadas para Márcia e Roberto
Avaliação: atendimento razoável
Simulassão — A vendedora mostrou as maiores peças, mas não forçou a barra quando viu que não serviam
Avaliação: atendimento bom
Calvin Klein — Após ver que não havia nada para Roberto, o vendedor o trocou por Marcelo. Com Márcia, foi pior: a vendedora sumiu. “Deve estar esperando eu ir embora”, disse a executiva. A grife declarou que as próximas coleções terão numeração até 50
Avaliação: atendimento ruim
SEGUNDA PARADA: BALADAS DA MODA
Glamourosas, caras e conhecidas pelas hostesses implacáveis com quem está malvestido, as casas noturnas DiscoMynt e B4 (essa última considerada “pré-balada”), todas na Zona Oeste, receberam os dois pares da mesma maneira. Os funcionários foram simpáticos, apresentaram os preços da noite e convidaram todos para conhecer o interior da casa
Avaliação: atendimento bom
TERCEIRA PARADA: ACADEMIAS DE GINÁSTICA
Para esse item do teste, Márcia e Roberto foram juntos a três academias: aBio Ritmo da Avenida Paulista, a Runner de Moema e a Body Company, na Vila Mariana. Em todas elas, houve um tour para conhecer as dependências e uma apresentação de diversos pacotes. Obesos eram exceção entre os frequentadores, mas os atendentes insistiram em dizer que recebem gente de diversos perfis e que seus programas de emagrecimento são eficientes
Avaliação: atendimento bom
QUARTA PARADA: SELEÇÃO DE EMPREGO
Elena e Márcia visitaram algumas das lojas do Shopping Villa-Lobos com vagas fixas e temporárias para vendedoras

Colcci — Foi o maior contraste entre os locais visitados. Márcia odiou: “confirmaram que tinha vaga, mas ninguém sorriu e uma moça me olhou dos pés à cabeça com hostilidade”, disse. Elena adorou: “Quando pedi informações, um vendedor interveio e chamou o gerente, que disse que eu era o perfil procurado”.
Avaliação: atendimento ruim
AnimaleTNGForumM. Officer e Le Lis Blanc — Funcionários atenciosos esclareceram para as duas os trâmites da seleção para a equipe de vendas
Avaliação: atendimento bom
Osklen — para Márcia, disseram que o recebimento de currículos para vendas havia se encerrado e sugeriram a vaga de estoquista. Já Elena foi atendida pelo gerente, que afirmou que poderia tentar encaixá-la direto nas entrevistas
Avaliação: atendimento ruim

Um comentário:

  1. Absurdo, tinha que sair no Jornal Nacional isso, no Fantástico!!!

    ResponderExcluir

Seu comentário é muito precioso para nós.
Beijos e volte sempre, sua presença alegra nosso dia!